sábado, 4 de outubro de 2008

E por falar das flores...

Nunca desista de uma planta, mesmo se ela parecer "morta"  não a descarte. Adube, regue, afofe a terra, mude ela de lugar e converse com ela. Se mesmo assim ela não ressuscitar,  proporcione-lhe um enterro digno.

Falo isso, porque muitas vezes elas (as plantas) podem nos surpreender.

Há algum tempo recebi na clínica uma pequena planta, como uma gentileza dos proprietários do República Botequim. Plantinha que foi enviada a todos os vizinhos do bar, com uma cartinha explicando que o bar, quando inaugurado, seria freqüentado por um público diferenciado, que não haveria algazarra e blá-blá-blá.

A planta, florida na ocasião, ficou na recepção da clínica por um tempo até que um belo dia encontrei - a no lixo. As secretárias disseram que ela estava feia, que havia morrido.  Levei - a pra casa e ...

calanchue calanchue 2

Taí, ela depois de muita conversa e dedicação está crescida e muito florida.

Tá certo que ela foi para um vaso maior e agora vive no meu quintal com muitas amiguinhas além das minhas cachorras que fazem companhia.

Essa planta é um calanchue, geralmente é vendida em vasinhos bem pequenininhos e é bem baratinha. É só trasferí - la para um vaso maior,  sol e água ...

Flávia Leite de Campos.

2 comentários:

Rê Gallo disse...

Flá, adorei o post!!! E prometo nunca mais vou desistir facilmente das plantinhas...
Bjs e bom domingão!

Laurita disse...

Mea culpa, mea maxima culpa!!!
Ainda bem qua a pobre plantinha foi resgatada à tempo e sobreviveu.
Confesso que não tenho o menor talento para plantas, o meu forte é cuidar de bichinhos, especificamente gatos vira-lata.
Em casa só as flores de plástico não morrem, rsrsrs.
Obs. Prometo não "declarar morta" nenhuma planta antes do diagnóstico de um especialista.